Laboratório

2010-05-13

Maior exigência na construção

 

 

 

Nos últimos anos tem-se assistido a um significativo aumento do grau de exigência relativamente à qualidade, segurança e conforto das habitações. As habitações deixaram o seu papel simplista de “local para viver” evoluindo para espaços de enorme qualidade e conforto nos quais os seus utilizadores possam desfrutar de todas as condições de comodidade e segurança.

A par da evolução do grau de exigência por parte dos utilizadores perante as habitações, tem-se verificado uma também constante evolução de um ramo muito concreto da engenharia civil, a física das construções. A evolução deste ramo específico vai de encontro às necessidades de qualidade, segurança e conforto impostas actualmente, uma vez que este ramo estuda aspectos primordiais, como o condicionamento acústico e o comportamento térmico das habitações.

Esta evolução permitiu o aparecimento de novos materiais, cada vez com melhores desempenhos e cada vez mais “amigos do ambiente”, bem como a adopção de novas técnicas e soluções construtivas de modo a irem de encontro aos requisitos de qualidade, segurança e conforto impostos.

O aparecimento de novos materiais e novas soluções de construção permite, de um modo muito concreto, a evolução de mercados, como o da reabilitação. Este mercado apresenta algumas especificidades como a necessidade do melhor aproveitamento possível das áreas de construção, sendo este objectivo concretizado através de reduzidas espessuras de paredes conseguidas com base na utilização de materiais com elevados níveis de desempenho e com baixas espessuras. Outra especificidade do mercado da reabilitação é a necessidade de, mantendo a estrutura “original”, dotar o edifício de soluções construtivas e materiais capazes de responder aos actuais requisitos impostos.

Um dos aspectos mais importantes para garantir elevados níveis de conforto e comodidade nas habitações passa por um bom isolamento acústico da habitação. Esta condição pode, e deve, ser garantida em fase de projecto, mais concretamente com a elaboração de um projecto de condicionamento acústico cuidado e rigoroso.


 

Isolamento Acústico

O isolamento acústico é por definição a capacidade que um dado material tem ou não para bloquear a passagem do som ou ruído entre ambientes diferentes, capacidade esta directamente relacionada com a capacidade que um dado material tem para amortecer e dissipar a energia sonora.

Imagem 1 – Exemplo de isolamento acústico

Um outro factor de elevada influência no isolamento acústico é o facto de não ser utilizada apenas uma barreira, mas sim criar uma sequência de obstáculos originando uma maior dificuldade de propagação do próprio som. Por isso, o uso de paredes duplas, janelas com vidros duplos ou a combinação de materiais de diferentes densidades é de extrema importância para garantir um bom isolamento acústico.

Neste caso, é ainda importante fazer com que os diferentes elementos usados não estejam directamente em contacto uns com os outros, usando para isso espumas e borrachas de modo a anular a vibração.

Devido ao modo de propagação do som é de vital importância garantir a não existência de qualquer tipo de fresta entre a ligação dos vários materiais uma vez que iria prejudicar todo o conjunto. Nas portas e caixilharia também deve ser tida em atenção a utilização de espumas e borrachas capazes de forma a garantir que o ambiente seja estanque.

 

Projecto de Condicionamento Acústico

O projecto de condicionamento acústico tem como objectivo garantir o cumprimento dos requisitos mínimos impostos pelo Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios (Decreto-Lei n.º 96/2008). O projecto estabelece soluções construtivas de modo a garantir a verificação dos requisitos impostos pelo Regulamento, mas muito mais do que a simples definição de materiais, o projecto de condicionamento acústico deve basear-se na correcta adopção de soluções construtivas de acordo com o tipo de isolamento em causa, quer isolamento a sons aéreos quer isolamento a sons de percussão.

De modo a possibilitar o cumprimento integral do projecto e da correcta utilização dos materiais em causa deve ser evidenciado um acompanhamento profundo, por parte do projectista, de todas as fases de obra bem como estabelecer uma estreita relação entre projectista, empreiteiro e fiscalização.

A elaboração do projecto de condicionamento acústico tem como passo final a verificação do cumprimento dos requisitos acústicos impostos pelo Regulamento, sendo esta verificação efectuada através da emissão da respectiva certificação acústica do edifício.

O certificado acústico de uma dada construção ao ser emitido garante o cumprimento do projecto de condicionamento acústico e por inerência o cumprimento do Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios.

A partir de Janeiro de 2011, e de acordo com legislação já publicada, a emissão de certificados acústicos ficará restrita a laboratórios de ensaios devidamente acreditados por entidade competente. Esta imposição legislativa prevê-se que trará uma maior competência e seriedade a toda a aérea da certificação acústica.

 

Estudo DECO/PROTESTE

Num passado recente um estudo DECO/PROTESTE traçou um cenário negro para o isolamento acústico e consequente certificação acústica em Portugal. O estudo contemplou a avaliação de 27 fracções de habitação das cidades de Lisboa e Porto, das quais cerca de um terço apresentou um deficiente isolamento a sons aéreos entre fracções. No que respeita ao isolamento a sons de percussão o cenário é ainda mais dramático uma vez que das 27 habitações cerca de metade estava muito aquém dos valores mínimos. Os resultados finais traduzem uma realidade bem conhecida por muitos consumidores, principalmente no que respeita ao isolamento a sons de percussão, caracterizados pelos passos do vizinho, queda de objectos, arrastar de cadeiras e abrir e fechar de portas. O mesmo estudo apresentou um cenário bem mais optimista no que respeita ao ensaio de isolamento da fachada, uma vez que das 27 fracções avaliadas apenas 4 chumbaram neste ensaio, sendo que mais de metade das habitações apresentava mesmo um bom isolamento. Em conclusão, das 27 habitações avaliadas, 14 violavam claramente os requisitos mínimos.

De acordo com o último estudo efectuado pela DECO/PROTESTE, o isolamento acústico das casas portuguesas continua a apresentar falhas escandalosas. O novo regulamento dos requisitos acústicos impõe níveis um pouco mais exigentes do que a anterior legislação, contribuindo para uma melhor qualidade de vida. Mesmo assim alguns requisitos parecem ser constantemente ignorados por projectistas, construtores e fiscalização é o caso do isolamento a sons de percussão entre fogos e do isolamento entre fogos e locais de comércio ou indústria.

Estes estudos comparativos permitem-nos concluir, uma vez mais, que a qualidade do isolamento acústico dos edifícios não passa exclusivamente pelas características dos materiais utilizados e definidos em projecto, uma vez que neste capítulo o mercado tem conhecido significativos progressos com a constante introdução de novos materiais apresentando estes cada vez mais um melhor desempenho, com especial realce para a sua correcta aplicação e execução.

Tendo tudo isto como base de partida a ADESUS, Lda. estabelece aqui uma importante aérea de trabalho há já vários anos, concretamente através da certificação acústica de edifícios.

César Ferreira



 


©1990-2006 ADESUS, Lda. Telefone 22 9691437
7 Graus